Bolsonaro faz chamada de vídeo com paraibanos

Em casa, no Rio de Janeiro, desde ontem (29), após receber alta médica, o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez uma chamada de vídeo, neste domingo (30), para se comunicar com os paraibanos que participaram de um ato público, em João Pessoa, que contou com a presença do senador Magno Malta (PR-ES).

O capitão da reserva voltou a colocar desconfiança sobre o sistema de votação do país e afirmou que espera do Nordeste uma grande surpresa na eleição do dia 7 de outubro.

Assista:

Marina em João Pessoa

A candidata a presidente Marina Silva (Rede) cumpre agenda de campanha nesta segunda-feira (01), em João Pessoa. Ela desembarca no início da tarde e segue para uma caminhada no Parque Solón de Lucena, no centro. Às 14h30, concede entrevista à imprensa. 

Marina Silva será a terceira presidenciável a desembarcar na Paraíba para ato de campanha. Antes dela somente Fernando Haddad (PT) e Ciro Gomes (PDT).

Na pesquisa Datafolha, divulgada na última sexta-feira (28), Marina aparece com 5% das intenções de voto, atrás de Jair Bolsonaro (PSL), com 28%; Fernando Haddad (PT), com 22%; Ciro Gomes (PDT), com 11%; e Geraldo Alckmin (PSDB), com 10%.

MaisPB/Veritá: João 35%, Lucélio 19,1% e Maranhão 18,7%

Pesquisa MaisPB/Veritá divulgada neste sábado (29) consolidou o candidato do PSB João Azevêdo na dianteira para o primeiro turno da eleição ao Governo da Paraíba. O pessebista chegou a 35% das intenções de votos. Na última pesquisa Ibope, o ex-secretário apareceu com 32%.

A destacar o empate técnico entre Lucélio Cartaxo (PV) e José Maranhão (MDB), 19,1% x 18,7%. No Ibope, o emedebista tinha 28% contra 19% de Cartaxo.

A sete dias da eleição, a diferença dos dois é de apenas quatro décimos, o que – na reta final – expõe o acirramento entre os dois candidatos da oposição para garantir vaga ao segundo turno.

Tárcio Teixeira (PSOL) tem 0,5. Rama Dantas (PSTU) é a última colocada. A candidata acumula apenas 0,3 do eleitorado consultado na pesquisa.

Não sabem ou não responderam correspondem a 13,2%. Brancos e nulos somam 12,6%. No total, ainda há 25,9% de indecisos no universo eleitoral paraibano.

Votos válidos – O Instituto Veritá também fez os cálculos somente considerando os votos válidos. Nesse quadro, João Azevedo chega a 47,9%. Lucélio Cartaxo e José Maranhão praticamente se nivelam, com 25,7% e 25,3%, respectivamente. Tárcio Teixeira surge com 0,7% e Rama Dantas tem 0,4%.

Dados técnicos – Registrada no TSE sob o número PB-08081/2018, a pesquisa Veritá/MaisPB ouviu 2.040 eleitores, entre os dias 26 e 28 de setembro, em 33 municípios do Estado. A margem de erro é de 2,8% para mais ou para menos.

O Instituto – O Instituto Veritá tem 20 anos de experiência no mercado brasileiro. Sediado em Uberlândia (MG), a empresa faz pesquisas em vários estados do País. Em 2016, por exemplo, publicou números das eleições nas principais capitais brasileiras, à exemplo de Aracajú (SE), Belém (PA), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ) e Vitória (ES).

Disciplinado pela legislação em vigor, o Instituto está habilitado a divulgar os resultados de suas pesquisas uma vez que se encontra inscrita no Conselho Federal de Estatística e em três Conselhos Regionais de Estatística: Conselho Regional de Estatística 1a Região, sob. No-31, Conselho Regional de Estatística 3a Região, sob. No-5910, Conselho Regional de Estatística 5a Região, sob. N°- 15.

Com MaisPB

Mulheres se manifestam contra e a favor de Bolsonaro

Em todo Brasil mulheres foram às ruas para se manifestarem contra e a favor do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), líder das pesquisas de intenção de voto. Em João Pessoa, as concentrações aconteceram em dois pontos: Praça da Independência, no bairro de Tambiá; e na Praça da Paz, no bairro dos Bancários.

Assista:

Auditora do STJD é eleita presidente da FPF

Michele Ramalho é a nova presidente da Federação Paraibana de Futebol. Aliada a ex-presidente Rosilene Gomes, que comandou o futebol paraibano por mais de 20 anos, a advogada superou Eduardo Araujo, ex-diretor da gestão de Amadeu Rodrigues (presidente afastado na Operação Cartola), por 26 votos a 24.

Michele Ramalho vai comandar a FPF pelos próximos quatro anos. Junto com ela, também foram eleitos vice-presidentes Thalita Gomes, que é neta de Rosilene Gomes, Nosman Barreiro Filho, filho de Nosman Barreiro, vice-presidente afastado da FPF, e Marcílio Braz, atual presidente do Conselho Fiscal da entidade.

Ramalho é auditora do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e ligada ao Treze Futebol Clube, para quem já prestou serviço como advogada.

Bola murcha

Não será com a bola nos pés que os candidatos ao Senado, Luiz Couto (PT) e Veneziano Vital (PSB), terão uma tabelinha bem sucedida.

Durante gravação para o guia eleitoral do candidato ao governo João Azevêdo (PSB), o petista desafinou no passe para o pessebista. O padre caiu de bunda no chão ao desequilibrar com a bola, cujo o objetivo da gravação era mostrar o entrosamento da chapa.

O governador Ricardo Coutinho (PSB) participou do bate bola.

Assista:

Mourão avança com plano de sabotar Bolsonaro

O general Hamilton Mourão (PRTB) está impossível. Em palestra na Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, o vice-candidato a presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições 2018, afirmou que o 13º salário e o pagamento de adicional de férias são “jabuticabas” – ou seja, só ocorrem no Brasil. (Assista abaixo)

“Temos umas jabuticabas que a gente sabe que são uma mochila nas costas de todo empresário”, disse Mourão. “Se a gente arrecada 12, como pagamos 13? É complicado. É o único lugar em que a pessoa entra em férias e ganha mais. Coisas nossas, legislação que está aí. É sempre a visão dita social com o chapéu dos outros, não com o chapéu do governo”, completou.

No início do mês, Mourão deu declarações polêmicas. O general da reserva defendeu uma Constituição elaborada por não eleitos e a ideia de que filhos criados por mães e avós, sem a presença do pai, correm mais risco de entrar para o tráfico.

Ao causar mais um estrago na candidatura de Bolsonaro, o general avisa que segue firme com o plano de sabotar o capitão.

Confederação de Pastores vê “cerceamento de expressão” do MPF

O bispo Robson Rodovalho, criador da Sara Nossa Terra e presidente da Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil (Concepab), reagiu ao procedimento que a Procuradoria Regional Eleitoral abriu contra o pastor da 1ª Igreja Batista de João Pessoa, Estevam Fernandes, por supostamente utilizar o templo religioso como “palanque eleitoral” para pedir votos para o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

>> MPF abre procedimento contra líder da igreja evangélica

Em entrevista ao autor do Blog no Arapuan Verdade, da Rede Arapuan de Rádios, Rodovalho criticou o Ministério Público Federal da Paraíba (MPF-PB) por tentar amordaçar a pregação de valores e família. “A norma [do Tribunal Superior Eleitoral] fala que não se pode fazer campanha dentro da igreja. O que não é fazer campanha? Pedir voto para um candidato, dar o numero dele. Um pastor não é proibido de pregar sobre valores, sobre família, sobre vida, até mesmo que votem em pessoas honestas, que acreditem na vida e na família. Isso é outro tipo de cerceamento, cerceamento de expressão. Estamos caminhando para uma mordaça. É outro grau de severidade”, disse.

O bispo saiu em defesa do pastor Estevam, a quem atribui uma reputação ilibada e considerou que o procurador eleitoral, Victor Veggi, tenha se baseado em uma “denúncia infeliz e fofoqueira”.

“Acho que o procurador está equivocado, deve ter recebido alguma denúncia mal feita, infeliz, fofoqueira, não procede da verdade. O que entendemos de abuso de poder religioso é um pastor pedir voto explicitamente numa igreja, dar o nome e número do candidato”, ressaltou.

“Falar de valores e princípios é nossa missão. Não vamos aceitar que possamos ser calados, ainda mais por causa de um momento eleitoreiro, onde há tentativa de calar a direita brasileira, especialmente aqueles que votam em Bolsonaro. Isso é ridículo. Esperamos que a justiça brasileira não caia nisso. A justiça não pode ser levada pela fofoca e ou pelo denuncismo eleitoral”, enfatizou.

De acordo com a portaria publicada no Diário Oficial Eletrônico do Ministério Público Federal da Paraíba (MPF-PB), nesta quarta-feira (26), o pastor Estevam Fernandes tem cinco dias para que possa se manifestar sobre o procedimento. O prazo para que a investigação seja encerrada é de 60 dias.

MPF abre procedimento contra líder da igreja evangélica

O procurador regional eleitoral, Victor Veggi, abriu procedimento contra o pastor da 1ª Igreja Batista de João Pessoa, Estevam Fernandes, por supostamente utilizar o templo religioso como “palanque eleitoral” para pedir votos para o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

De acordo com a portaria publicada no Diário Oficial Eletrônico do Ministério Público Federal da Paraíba (MPF-PB), nesta quarta-feira (26), o pastor Estevam tem cinco dias para que possa se manifestar sobre o procedimento.

O prazo para que a investigação seja encerrada é de 60 dias.

Roberto Paulino sobre o MDB: “Tenho vergonha”

Candidato ao Senado pelo MDB, Roberto Paulino, admitiu que sente vergonha do partido.

Ao Arapuan Verdade, da Rede Arapuan de Rádios, o ex-governador da Paraíba revelou que chegou a ser procurado por Eduardo Cunha (PMDB/RJ), em 2011, para tomar o mandato de Wilson Santiago, então deputado federal pelo PMDB.

“Tenho vergonha [do MDB]”, disse.

“Ser honesto e ficha limpa é uma obrigação”, ressaltou.

Paulino ainda fez críticas a candidatura de Henrique Meirelles (MDB) a presidente.

“Meirelles é um bom técnico, mas se botar pra jogar falta perna”.

“Falta cheiro de povo”.