Política

Governo aposta em agenda positiva contra crise

Em meio ao vendaval da Operação Calvário, com direito a prisão da secretária de Estado, Livânia Farias, o governo faz a sua parte e tenta abafar a crise com agenda de anúncios positivos. Nesta terça (19), o governador João Azevedo (PSB) lança o programa Paraíba Rural Sustentável com dinheiro do empréstimo de US$ 50 milhões, conseguido junto ao Banco Mundial no mês passado. Ontem, João já havia dado início ao Ciclo 2019 das audiências públicas do Orçamento Democrático. 

Contra parede

A prisão de Livânia Farias, aliás, será explorada ao máximo pela oposição nesta semana na Assembleia Legislativa. O deputado Raniery Paulino (MDB), líder oposicionista, avisou que continuará batendo na tecla da instalação da CPI da Cruz Vermelha na Casa. A ordem é colocar a Situação contra parede. 

Alerta ligado

O secretário de Educação do Estado, Aléssio Trindade, informou ao blog que medidas de precaução tem sido tomadas nas escolas da rede estadual de ensino diante da onda de violência contra colégios do país. Monitoramento e palestras sobre paz e violência tem sido reforçadas. “Quando monitoramos riscos ou ameaças mobilizamos uma equipe volante de apoio”, disse.

Vereador federal

Está inaugurado um novo cargo no país: vereador federal. É o caso de Carlos Bolsonaro, eleito vereador do Rio, mas que toca a agenda do país – quando não está tuitando pelo pai – enquanto o presidente está nos Estados Unidos. Nessa segunda (18), o 02 fez reuniões com deputados sobre a reforma da previdência. E, claro, postou no Twitter. 

O GLOBO

Bebianno tem surto de sinceridade: “Bolsonaro é uma pessoa louca”

Pronto para ser demitido do cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno teve um surto de sinceridade, revela o colunista Lauro Jardim do jornal O Globo. A um interlocutor, Bebianno disparou contra Jair Bolsonaro. “Perdi a confiança no Jair. Tenho vergonha de ter acreditado nele. É uma pessoa louca, um perigo para o Brasil”. Para o ex-presidente do PSL, a sua demissão não é apenas culpa de Carlos Bolsonaro, o 02. “O problema não é o pimpolho. O Jair é o problema. Ele usa o Carlos como instrumento. É assustador”.

governo Bolsonaro

Julian e um enigma

O deputado federal Julian Lemos (PSL) publicou um enigma no Instagram. Em meio a crise que envolve o ministro Gustavo Bebianno (Secretaria Geral da Presidência) com o vereador carioca Carlos Bolsonaro (PSC), o 02, e o presidente Jair Bolsonaro (PSL), o paraibano – alvo do filho do presidente em dezembro – postou uma imagem com os dizeres “o pior louco é aquele que acredita na própria loucura”. Na legenda, Julian adverte: “Guardem o que eu digo. Tem gente que toca fogo no circo apenas para ver o palhaço pegar fogo”.

No último domingo (10), reportagem da Folha de S.Paulo informou que Bebianno liberou R$ 400 mil de dinheiro público, do fundo partidário, para uma candidata “laranja” de Pernambuco, que concorreu a uma vaga de deputada federal e recebeu 274 votos. Bebianno era presidente interino do PSL na época.

Ao jornal O Globo, na terça-feira (12), o ministro disse que o fato não seria motivo de crise no governo e revelou que falou três vezes com Jair Bolsonaro. Mas Carlos Bolsonaro entrou em cena, ontem (13), ao afirmar que as supostas conversas são ‘mentira absoluta’ de Bebianno. Para sustentar o que chamou de “mentira”, o filho do presidente divulgou uma gravação em áudio do pai na qual ele conversa pelo Whatsapp com Bebianno.

Pouco antes da publicação (abaixo), Julian Lemos fez outras duas com menção direta a nova crise do governo. Para quem teria sido o recado?

Crise

Julian não engoliu o ‘chega pra lá’ da família Bolsonaro

Julian Lemos, deputado federal eleito do PSL, ainda não engoliu o ‘chega pra lá’ que tomou de Carlos Bolsonaro, “pitbull” e filho de Jair Bolsonaro. 

Questionado em entrevista à rádio Arapuan sobre a polêmica com o herdeiro do aliado, Lemos tratou o caso como crise de ciúme do desafeto e desdenhou. 

“O menino ficou chateadinho pela minha projeção ao lado do pai. Eu não devo nada ao filho de Bolsonaro. Agora eu sou leal e amigo pessoal do pai dele. Se o pai dele diz que eu sou o coordenador do Nordeste, por diversas vezes, o que é que o príncipe pode dizer a mais que o rei?”.

Julian Lemos acredita que ainda tem prestígio com o presidente eleito. “Eu sou da cozinha do presidente”, assegura. 

Falta combinar novamente com a família.

Política

Bolsonaro comenta ataque do filho a Julian

“Sabemos! Um forte abraço, moleque”, respondeu o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) a uma das postagens do filho, Carlos Bolsonaro (PSL), contra o deputado federal eleito Julian Lemos (PSL-PB).

A mensagem de Carlos diz: “Muitos que se ergueram repetindo os discursos de Bolsonaro esqueceram de um detalhe: não existia um Bolsonaro para ele se esconder atrás quando seus valores eram colocados em prova, por isso tem conseguido passar sua mensagem. Os falsos não duram, as pessoas percebem!”. 

Carlos Bolsonaro acusa Julian Lemos de se aproveitar do pai. 

Governo Bolsonaro

“Enganam-se os que creem que irão nos separar”

O Blog escreveu anteontem: Carlos Bolsonaro passou a dizer o que o pai não pode mais falar.

Jair Bolsonaro confirmou hoje em mensagem que felicita o aniversário do filho nas redes sociais.

“Carlos sempre foi e é decisivo em nossas conversas. Enganam-se os que creem que irão nos separar”.

Precisa dizer mais alguma coisa?

Política

O pitbull de Bolsonaro

Jair Bolsonaro parabenizou o filho Carlos Bolsonaro (aniversariante do dia), a quem se dirige como “Meu PitBull”. O presidente eleito agradeceu ao herdeiro por “sempre estar por perto e jamais querer aparecer ou ter ganhos pessoais”. 

Escreveu nas redes sociais:

“Meu PitBull, obrigado sempre por estar por perto, jamais querendo aparecer ou ter ganhos pessoais. Sua atitude é de um verdadeiro Guerreiro e Homens que procuraram algo diferente têm ao seu lado sempre pessoas com seu perfil. Conte sempre comigo, parabéns e um forte abraço, Carlos!”.

A mordida desse pitbull faz estrago. 

Governo Bolsonaro

“Não ataque soldados do seu pai”

A DR entre o deputado federal eleito Julian Lemos (PSL) e o filho de Jair Bolsonaro, Carlos Bolsonaro, não tem hora para acabar. 

Pelo instagram, Lemos reagiu a nova investida do herdeiro do presidente eleito. 

“Não irei expor o seu pai, que é meu amigo. Se você não o respeita, eu sim. Um novo vídeo resolveria? Eu tenho. Mas não é esse o caso, não ataque gratuitamente os soldados do seu pai. Essa guerra é longa e cada soldado é importante….”, respondeu.

Julian Lemos continuou: 

“Irei parar a discussão, espero que você encontre paz no seu coração. Você não é meu alvo, nem inimigo. Quanto ao Nordeste pouco sabes, nunca pusestes os pés lá”, encerrou. 

Política

Carlos Bolsonaro sugere que Lemos é aproveitador

Carlos Bolsonaro está endiabrado.

Em mais uma tuitada, o filho do presidente eleito Jair Bolsonaro voltou a atacar o deputado federal eleito Julian Lemos, sugerindo que o aliado do pai é aproveitador.

“Sr. @JulianLemosopb1 quem elegeu Bolsonaro foram pessoas de todos os segmentos e que nenhum momento pleiteiam algo a mais a não ser um Brasil melhor! Bolsonaro age somente ajudando candidatos pelo Brasil. Sugerimos parar de aparecer atrás dele [Jair Bolsonaro] por algum motivo como faz sempre!”, alfinetou.

Mais cedo, depois de Carlos desmentir Julian, sobre a condição de coordenador de transição do futuro governo no Nordeste, o paraibano reagiu. Ao jornalista Heron Cid, Lemos disse que só dará atenção ao que o presidente diz. 

No instagram, Lemos publicou um vídeo em que é tratado por Bolsonaro, na campanha, como “nosso coordenador no Nordeste”: “Na minha casa, o que meu pai falava era respeito…”, escreveu.

Política

Bolsonaro e seus três filhos: um governo que promete

Antes mesmo de tomar posse, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) já conseguiu desagradar evangélicos – segmento importante para sua vitória – e criou via família uma situação, no mínimo, constrangedora para um aliado importante, o deputado federal eleito Julian Lemos (PSL-PB).

Primeiro o pastor Silas Malafaia se queixou publicamente do desprezo oferecido a Magno Malta – braço direito na campanha e senador derrotado no Espírito Santo -, que esperava tomar conta de algum ministério. Não aconteceu.

Agora por último, como já noticiado pelo Blog, o filho Carlos Bolsonaro ‘enquadrou’ Julian Lemos. Vereador pelo Rio de Janeiro e porta-voz do pai nas redes sociais, Carlos disse que, diferente do que é propagado, Lemos não é e nunca foi coordenador de transição do futuro governo por “detalhes que todos já sabem”.

Quais detalhes? Não disse. 

Não restam dúvidas: para o bem ou para o mal Jair Bolsonaro e seus três filhos provaram que os próximos quatro anos prometem.