Senado

Após gafe, Daniella foi cobrada a se manifestar

De férias, no exterior, a senadora eleita Daniella Ribeiro (PP) precisou que o presidente do Progressista e senador Ciro Nogueira (PI) a despertasse sobre os bastidores que cercam a eleição do Senado da República.

Há quatro dias, a paraibana emitiu nota afirmando que o seu partido só teria um posicionamento sobre a eleição do Senado no fim do mês, esquecendo o ex-governador de Santa Catarina e senador eleito Esperidião Amin (PP), que havia se colocado como pré-candidato à presidência da Casa maior.

Nesse domingo (20), Ciro Nogueira cobrou de Daniella Ribeiro, que será líder da bancada do PP, uma nova manifestação. “Seria bom a nossa líder se manifestar, dizendo que o partido tem um pré-candidato colocado, que é o nosso governador [Esperidião] Amin, e que em minuto nenhum o partido se reuniu para discutir apoio a outra candidatura. Achava que era interessante a gente se manifestar”.

A resposta veio hoje.

“Não procedem as notícias que circulam dizendo que o Progressistas votará em Renan. Reafirmo aqui o compromisso do partido com o senador Amin, que em dezembro colocou seu nome totalmente à disposição. É um político com história e conduta ilibadas, habilitado para disputar a presidência. É um nome que tem legitimidade nesse processo”, declarou à imprensa em novo release.

Congresso

Maia deve vir à Paraíba

Atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), intensificará a sua campanha de reeleição no Nordeste.

Um dos destinos a ser visitado tende ser a Paraíba entre esta e a próxima semana. É o que sinalizou ao Blog o deputado Efraim Filho (DEM-PB).

Em entrevista recente, o paraibano destacou que “Rodrigo não é o preferido pelo PSL nem pela oposição, mas é o único que é aceito por ambos”.

O cenário, porém, se modificou em parte na última semana quando Maia recebeu o apoio do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro e dono, a princípio, da segunda maior bancada na Câmara com 52 deputados.

O acordo desagradou o PP de Aguinaldo Ribeiro – que chegou a ser cogitado para disputa pelo presidente do partido, Ciro Nogueira -, dono da terceira maior bancada e ocupante da segunda vice-presidência da Casa, com o deputado André Fufuca-MA. Vaga que será do PSL, caso Maia prospere.

O apoio de Bolsonaro também comprometeu a relação com os partidos de esquerda – PT (56 deputados), PSB (32), PDT (28) e PC do B (9), além do MDB (34).

PP coloca Ribeiro na rota para eleição da Câmara

A eleição presidencial nem acabou, mas os partidos já começaram a se articular nos bastidores para a eleição da presidência da Câmara Federal, que só acontece no dia 1º de fevereiro. 

Líder do governo do presidente Michel Temer (MDB) e ex-ministro do governo de Dilma Rousseff (PT), o paraibano Aguinaldo Ribeiro (Progressistas) é lembrado por partidos do Centrão para concorrer ao cargo, caso o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) não demonstre o desejo de disputar à reeleição. 

É o que disse o presidente nacional do Progressistas, senador Ciro Nogueira (PP-PI), ao jornalista Wallison Bezerra, do Portal MaisPB. “Um excelente nome, mas vamos saber primeiro se Rodrigo Maia é candidato, se for candidato ele tem a preferência nossa do partido, nós temos uma aliança já de algum tempo com ele”, pontuou. 

Indagado diante da possível não colocação de Maia para entrar na disputa e se Ribeiro figura como opção imediata, Nogueira pontuou: “Com certeza, é um dos principais nomes que temos no partido, um grande nome”, arrematou. 

Partido de Bolsonaro não abre mão

Ao autor do Blog, o presidente licenciado do PSL e deputado federal eleito, Luciano Bivar (PE), adiantou que o partido não abrirá mão de fazer o novo presidente da Câmara. O partido terá a segunda maior bancada da Casa, com 52 deputados eleitos contra 56 do PT, a partir de 2019.

“O presidente tem que ser um candidato do PSL. Aguinaldo [Ribeiro] não é. Todos tem direito de lançar candidato, mas a tradição da Câmara diz que tem que ser o partido que é vencedor e que tenha a maior bancada. O PP fez trinta deputados federais, não tem como viabilizar a candidatura dele”, disse.

O PP elegeu na verdade 37 deputados federais e terá a terceira maior bancada da nova Câmara.

A briga por Ciro Nogueira

Geraldo Alckmin está piscando para o Centrão. Na semana passada, mandou um enviado conversar com Ciro Nogueira. Quer o PP ao seu lado.

Ciro Nogueira, aliás, tem recebido recados também de Ciro Gomes.

Enquanto isso Ciro Nogueira vai levando. O seu PP, assim como o PRB, o Solidariedade e outros do chamado Centrão só querem montar em cavalo vencedor. Assim, vão esperar até o último momento para se definir.

No impeachment de Dilma Rousseff, por exemplo, o PP, que era governo, se definiu para que lado ia 72 horas antes da votação.

Lauro Jardim, O Globo