Paraíba

Governador corneta defesa do Botafogo-PB após falha em final do Nordestão

Botafoguense, o governador João Azevêdo (PSB) cornetou a zaga do Botafogo-PB pela falha na decisão da Copa do Nordeste contra o Fortaleza. O time cearense acabou campeão. “Infelizmente as linhas de defesa que nós temos aqui nesse seminário [Governança e Boas Práticas em Gestão Pública] a gente deveria ter levado para o Botafogo, talvez desse mais resultado”,  brincou em meio a resposta sobre a distância entre ele e o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) nas cadeiras do estádio Almeidão no dia do jogo (quarta-feira, dia 29). 

 
Política

Botafogo-PB x Fortaleza: João e Ricardo na mesma arquibancada?

Botafoguense, o governador João Azevêdo (PSB) será um entre os mais de 15 mil torcedores na noite de hoje (29), no Almeidão, para decisão do time de coração contra o Fortaleza pela Copa do Nordeste. Outro que certamente estará é o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), presença constante em jogos do Botafogo-PB.

Puxão de orelha

No último fim de semana, o ex-governador fez críticas a linha política de João Azevêdo na relação com o legislativo e cobrou a manutenção do “projeto” do PSB na Paraíba. Na última segunda (27), João evitou o confronto, mas lembrou que não caiu de paraquedas no “projeto”.

Pelo Belo, João e Ricardo dividirão a mesma arquibancada?

Política

Ricardo, a oposição que faltava a João

Nenhum político de oposição conseguiu a proeza de ecoar palavras tão fortes e contundentes contra o início de gestão de João Azevêdo (PSB) como fez o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), nesse último fim de semana, em Cajazeiras.

Durante entrevista coletiva na Câmara Municipal da cidade, Ricardo descascou seu sucessor. Com outras palavras, Ricardo sugeriu que João tem comprometido o projeto de poder do PSB na Paraíba. Ao se colocar à disposição, fez uma cobrança: o projeto precisa ser mantido. Mas como bem se sabe, João tem dado sequência as políticas e programas do governo que é vendido nos meios de comunicação como de continuidade – menos, talvez, para Ricardo.

Para o ex-governador, João é um telespectador de luxo com a caneta na mão. Nada fez em cinco meses. Obras e outras ações que estão sendo executadas são graças ao que ele deixou de herança nos últimos oito anos. Citou R$ 300 milhões deixados em caixa, além de obras que estão em andamento ou prontas para entrega. “Isso não começou agora”, cravou.

Ricardo Coutinho também fez uma série de críticas ao modo que João Azevêdo tem conduzido a relação com o G-10 na Assembleia Legislativa da Paraíba, agrupamento de parlamentares governistas, mas intitulado de independente. Ricardo quer uma posição mais enérgica do seu sucessor. “Eu acho que essa coisa vai terminar em uma situação ruim, vai ter atritos cada vez maiores, mas não sou governante, se eu me visse nessa situação, gostaria de ter uma definição: quem está com o governo e quem não está”.

Ainda com outras palavras, Ricardo sugere que João deixe de ser frouxo. “Eu tive um primeiro mandato profundamento tumultuado, em minoria na Assembleia, mas eu não abri. Eu disse: vou até o fim desse jeito, porque tenho que ir. Não posso ter uma postura que inviabilize a Paraíba”.

E acrescentou:

“Eu acho que muito disso depende do governo dizer aquilo que é e como quer”.

Ricardo se colocou como a oposição que faltava a João.

Paraíba

São João: Governador veta gastos com festas

O governador João Azevêdo (PSB) vetou pelos próximos 60 dias despesas voltadas para a realização de festividades juninas.

A decisão está no Diário Oficial do Estado (DOE) deste sábado (25) e fala em “maior efetividade às diretrizes para gestão e controle dos gastos públicos”.

Medida semelhante foi tomada em anos anteriores pelo ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), sendo alvo de críticas de prefeitos, especialmente do gestor de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD), que promove o “Maior São João do Mundo”.

> Acompanhe o blog no Instagram

 
segunda-feira

Santiago mais preso do que nunca; PSB dividido. O que você precisa saber (20)

1 – O ministro da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Felix Fischer, negou o pedido de habeas corpus ao empresário Roberto Santiago, na tarde desta segunda-feira (20). Envolvido na Xeque-Mate, operação responsável por desvendar um esquema de corrupção em Cabedelo, o dono dos shoppings Manaíra e Mangabeira completará, na próxima quarta-feira (2), dois meses na cadeia. Quem diria!

2 – O governador João Azevêdo (PSB) diz que não há racha no PSB (Tá certo!), embora admita divergências. O gestor encarou no fim da tarde desta segunda-feira (20), uma comissão designada pela ala ricardista do partido, que na última semana promoveu um encontro (sem a presença do gestor) para apontar ‘equívocos’ do sucessor de Ricardo Coutinho, com apenas cinco meses de mandato. Não precisa dizer mais nada! 

3 – João Azevêdo estará na próxima sexta-feira (24), no Recife, para um encontro com o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL). O capitão reformado do Exército anunciará o Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE), elaborado no âmbito da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene).

4 – O prefeito de Bayeux, Berg Lima, AQUELE, não compareceu à audiência de interrogatório na Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba, a fim de ser ouvido no caso em que é acusado do recebimento de propina. A defesa do gestor alegou que o seu constituinte se encontra entregue ao departamento médico. Santa doença!  

5 – Com ajuda do goleiro adversário, o Botafogo-PB bateu o ABC, em Natal, nesse domingo (19), pela Série C. Mesmo com a cabeça na decisão da Copa do Nordeste, o time de João Pessoa já faz parte do G-4. A tendência é que o time voe longe quando tiver dedicado exclusivamente a competição nacional. Só para na B!

6 – Eis o cardápio do teatro Pedra do Reino, no Centro de Convenções, de João Pessoa, para os próximos meses: Djavan (24 de maio), Gilberto Gil (6 de junho) e Milton Nascimento (22 de agosto). Alto nível!

Política

Sob comando de Ricardo, PSB faz avaliação do governo João

O ex-governador Ricardo Coutinho promoveu, na última segunda-feira (13), um encontro com a cúpula do PSB para avaliar a primeira fase do governo de João Azevêdo (PSB). A informação foi publicada pelo jornalista Heron Cid em seu conceituado blog. O tom usado na reunião foi rigoroso e crítico pelos atos e posturas adotadas pelo governo e governador. João foi chamado, mas não compareceu, assim como o presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino (PSB). Ou seja: estiveram tão somente os ricardistas do partido. Em recente entrevista a TV Tambaú, logo após as exonerações do secretário Waldson Souza e do procurador-geral do Estado, Gilberto Carneiro, Ricardo afirmou que não é de abandonar companheiros e companheiras.

 
Governo

Frente a Frente com João: Ricardo, São João, relação com Poderes e Calvário

Vídeo – Em entrevista ao Frente a Frente, da TV Arapuan, conduzido por Heron Cid, o governador João Azevêdo (PSB) falou entre outras coisas, sobre a comparação com o ex-governador Ricardo Coutinho – disse ser mais tranquilo e reservado; a atuação dos Centros Integrados de Comando e Controle (CICC) no São João de Campina Grande – disse, na ocasião, que participará do evento; a relação com os Poderes; além das mudanças no secretariado, em meio a Operação Calvário. Clique no play acima.

 
Governo

Calvário também é solução para João

Convenhamos, se com cem dias de governo mudanças drásticas são tomadas, alguma coisa não anda bem. Na Paraíba tem sido assim em decorrência da Operação Calvário. Se as investigações do Ministério do Público causam estragos na imagem do governo do PSB – não poderia ser diferente: uma secretária e dois auxiliarem foram presos; outros podem tomar o mesmo caminho – também se apresentam como solução para o governador João Azevedo (PSB). Graças às consequências da Operação, o sucessor de Ricardo Coutinho tem posto (ainda aos poucos) sua digital em seu próprio governo, com as forçadas mudanças, evitadas no início da gestão por respeito ao líder maior. Nesta quinta-feira (2), o chefe do executivo estadual afirmou que outras trocas devem acontecer, depois das saídas de Waldson Souza (Planejamento), Gilberto Carneiro (Procuradoria Geral) e Cláudia Veras (Saúde), na última terça-feira (30). Por ironia do destino é a Calvário que tem dado a João a oportunidade de escrever a sua própria história no Palácio da Redenção.

 
Paraíba

Calvário: servidora presa geriu finanças da campanha de João

 

A servidora do Estado da Paraíba, Maria Laura Caldas de Almeida Carneiro, presa na 4ª fase da Operação Calvário, foi administradora financeira da campanha do então candidato a governador João Azevedo (PSB). É o que consta no site DivulgaCand do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em 2016, ela também já havia exercido a mesma função para então candidata a prefeita de João Pessoa e atualmente deputada estadual Cida Ramos (PSB). Maria Laura é ligada ao agora ex-procurador geral do Estado, Gilberto Carneiro, exonerado do cargo nesta terça-feira (30).

 
Governo

João não tinha razões para reagir destemperadamente

Não pegou bem para o governador João Azevedo (PSB), conhecido por um comportamento moderado, a reação destemperada diante das perguntas sobre a soltura da ex-secretária Livânia Farias – que estava presa no âmbito da Operação Calvário -, ontem (24), na posse do deputado estadual João Gonçalves (Podemos) como secretário de Articulação Política. Primeiro porque o próprio governo sempre disse acreditar na inocência de Livânia. Estranha, portanto, que o governo não tenha celebrado a liberdade da ex-auxiliar. Segundo porque não caberia ao governador usar o argumento da pauta administrativa para se esquivar dos questionamentos. Há um mês, o próprio João deu palanque político ao ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) na solenidade de lançamento do Programa Paraíba Rural Sustentável, no Espaço Cultural. Aliás, foi nessa oportunidade, que Ricardo bradou “nesse governo ninguém solta a mão de ninguém”. Alguém soltou?