Política

Moacir quer passar PSL-PB a limpo

Em alta com o presidente Jair Bolsonaro (PSL), o grupo político do prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), abriu fogo contra o deputado federal Julian Lemos (PSL) pelo comando do PSL na Paraíba. 

A missão coube ao irmão de Romero e deputado estadual Moacir Rodrigues, já filiado ao partido. No último domingo (7), o parlamentar reuniu movimentos de direita com objetivo de fortalecer a legenda no estado. Moacir acusa Julian de não ter realizado nenhuma reunião após a eleição de outubro passado. 

Nesta terça-feira (9), na Assembleia Legislativa, Moacir insinuou que Julian Lemos é uma espécie de coronel e não estaria disposto, na condição de presidente provisório, a realizar eleição interna. E foi além: denunciou o partido de ter desviado dinheiro do fundo partidário através de candidaturas laranjas na Paraíba. “O partido deve ser passado a limpo, com laranja, limão e tudo”, afirmou. 

Segundo Moacir, o seu irmão teria interesse de ingressar no partido, com uma reorganização no diretório. 

Em nota à imprensa, Julian Lemos atacou Moacir de ser “boneco de ventríloquo”, sugerindo uma ação para beneficiar Romero, que teria interesse de comandar o PSL.  

Governo Bolsonaro

“Não conheço mais Jair”

Já não é só a imprensa que constata o esfriamento da relação do paraibano Julian Lemos, deputado federal pelo PSL, com o presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O próprio parlamentar admitiu no diálogo vazado com o secretário-geral do PSL na Paraíba e assessor do Ministério do Turismo, Fábio Nóbrega Lopes.

“Não conheço mais Jair. Estou falando de acesso. É como se você me visse em um canto e eu não te conhecer. Não existe”.

“Sinceramente estou muito broxa”, arrematou.

>> Quando as ideias não correspondem aos fatos

Governo Bolsonaro

Quando as ideias não correspondem aos fatos

Deu no jornal O Globo, neste sábado (16). Em um áudio que circula em Brasília, o paraibano Julian Lemos, deputado federal pelo PSL, relata ao secretário-geral do partido na Paraíba e assessor do Ministério do Turismo, Fábio Nóbrega Lopes, que assegurou junto à Casa Civil a indicação de nomes para cargos de direção na Funasa da Paraíba e na sede regional do Incra, além de um possível “terceiro negócio”.

Lemos também diz que outros parlamentares buscam ou buscarão acordos semelhantes – menos para os que são do PT e de outros partidos de esquerda -, com o objetivo de obter cargos na administração federal em troca de votos para aprovação da reforma previdenciária, objetivo do primeiro ano do governo Bolsonaro.

O vazamento do áudio acontece três dias depois de Lemos informar que abriria mão de indicar aliados para ocupar cargos federais, em nome da “construção de uma nova forma de fazer política”. “Tive um discurso e irei ter coerência com ele”, pregou.

Ao O Globo, Julian Lemos diz ser alvo de grampo ilegal e pedirá investigação à Polícia Federal.

Quando as ideias não correspondem aos fatos, já cantava Cazuza.

Política

Após release, Julian pede desculpas a bancada paraibana

O deputado federal Julian Lemos (PSL) pediu desculpas a parlamentares da bancada paraibana pelos termos usados no release divulgado pela sua assessoria na última terça-feira (26). 

No texto que faz referência a uma solicitação do deputado ao governo federal para investimentos na saúde da Paraíba, Julian ataca a bancada do seu estado: “Enquanto vocês debatem “miolo de pote e cargas d’água” eu trabalho!”. 

Parlamentares trataram o release como “esdrúxulo”.

A assessoria estaria com os dias contados. 

Política

Julian atira na bancada paraibana

Por meio de release, o deputado federal Julian Lemos (PSL) mandou um recado para bancada paraibana na Câmara, a qual faz parte: “Enquanto vocês debatem “miolo de pote e cargas d’água” eu trabalho!”. O parlamentar se refere a uma solicitação que fez ao governo federal para investimentos na saúde na ordem de 8,7 milhões. “O deputado federal, de primeiro, mal assumiu seu cargo e já deixou os colegas parlamentares comendo poeira”, diz um trecho do texto. Um tiro!

Governo Bolsonaro

Choque de realidade

Se durante a campanha Julian Lemos (PSL) gozava de forte prestígio junto a Jair Bolsonaro (PSL), hoje não pode-se dizer o mesmo. A perda de força do deputado paraibano com o presidente da República é notória. O desgaste público começou com as trocas de farpas entre ele e Carlos Bolsonaro, o 02, Pitbull ou Tonho Lula. Como consequência do atrito, veio a ordem para cancelar a nomeação de Tárcio Pessoa – indicação do parlamentar – para Secretaria-Executiva do Ministério do Turismo. Para evidenciar de vez o esfriamento na relação, está a nomeação do ex-deputado Benjamin Maranhão (MDB) para ocupar o cargo de diretor do Departamento de Fomento à Inclusão Social e Produtiva Rural da Secretaria Nacional de Inclusão Social e Produtiva Rural da Secretaria Especial do Desenvolvimento Social do Ministério da Cidadania. Julian tratou a indicação de esdrúxula e disse não ter tido qualquer influência na escolha. O tempo se encarregou de mostrar que nem tudo que é de interesse da Paraíba passa pelo crivo do deputado.

governo Bolsonaro

Julian e um enigma

O deputado federal Julian Lemos (PSL) publicou um enigma no Instagram. Em meio a crise que envolve o ministro Gustavo Bebianno (Secretaria Geral da Presidência) com o vereador carioca Carlos Bolsonaro (PSC), o 02, e o presidente Jair Bolsonaro (PSL), o paraibano – alvo do filho do presidente em dezembro – postou uma imagem com os dizeres “o pior louco é aquele que acredita na própria loucura”. Na legenda, Julian adverte: “Guardem o que eu digo. Tem gente que toca fogo no circo apenas para ver o palhaço pegar fogo”.

No último domingo (10), reportagem da Folha de S.Paulo informou que Bebianno liberou R$ 400 mil de dinheiro público, do fundo partidário, para uma candidata “laranja” de Pernambuco, que concorreu a uma vaga de deputada federal e recebeu 274 votos. Bebianno era presidente interino do PSL na época.

Ao jornal O Globo, na terça-feira (12), o ministro disse que o fato não seria motivo de crise no governo e revelou que falou três vezes com Jair Bolsonaro. Mas Carlos Bolsonaro entrou em cena, ontem (13), ao afirmar que as supostas conversas são ‘mentira absoluta’ de Bebianno. Para sustentar o que chamou de “mentira”, o filho do presidente divulgou uma gravação em áudio do pai na qual ele conversa pelo Whatsapp com Bebianno.

Pouco antes da publicação (abaixo), Julian Lemos fez outras duas com menção direta a nova crise do governo. Para quem teria sido o recado?

“Lula livre”

Julian: “É um tapa na cara do país”

Para Julian Lemos (PSL), deputado federal eleito, a decisão do ministro do STF, Marco Aurélio Mello, de soltar presos condenados em segunda instância – incluindo Lula – é um “tapa na cara” do país. 

O futuro parlamentar diz que o magistrado colocou “abaixo” toda justiça brasileira. 

“Marco Aurélio estimula o crime de corrupção”, acusou. 

“Isso nada mais é do que uma manobra para colocar criminosos na rua”. 

Crise

Julian não engoliu o ‘chega pra lá’ da família Bolsonaro

Julian Lemos, deputado federal eleito do PSL, ainda não engoliu o ‘chega pra lá’ que tomou de Carlos Bolsonaro, “pitbull” e filho de Jair Bolsonaro. 

Questionado em entrevista à rádio Arapuan sobre a polêmica com o herdeiro do aliado, Lemos tratou o caso como crise de ciúme do desafeto e desdenhou. 

“O menino ficou chateadinho pela minha projeção ao lado do pai. Eu não devo nada ao filho de Bolsonaro. Agora eu sou leal e amigo pessoal do pai dele. Se o pai dele diz que eu sou o coordenador do Nordeste, por diversas vezes, o que é que o príncipe pode dizer a mais que o rei?”.

Julian Lemos acredita que ainda tem prestígio com o presidente eleito. “Eu sou da cozinha do presidente”, assegura. 

Falta combinar novamente com a família.

Política

Bolsonaro comenta ataque do filho a Julian

“Sabemos! Um forte abraço, moleque”, respondeu o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) a uma das postagens do filho, Carlos Bolsonaro (PSL), contra o deputado federal eleito Julian Lemos (PSL-PB).

A mensagem de Carlos diz: “Muitos que se ergueram repetindo os discursos de Bolsonaro esqueceram de um detalhe: não existia um Bolsonaro para ele se esconder atrás quando seus valores eram colocados em prova, por isso tem conseguido passar sua mensagem. Os falsos não duram, as pessoas percebem!”. 

Carlos Bolsonaro acusa Julian Lemos de se aproveitar do pai.