Política

Romero e a notícia ofuscada

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, confirmou nessa terça-feira (23), o que já vinha se desenhando há um bom tempo. Trocou o PSDB pelo PSD, partido que passará a comandar na Paraíba. O ensaio para decisão vem antes mesmo do falecimento do ex-deputado federal Rômulo Gouveia. Detalhe: coincidentemente Romero anunciou a decisão quase no mesmo instante da soltura de Livânia Farias, presa há mais de um mês na Operação Calvário. Muita gente não viu. 

Tucanos votam em Bolsonaro, mas não declaram

O alto escalão do PSDB na Paraíba vota em Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno da eleição presidencial, mas não declara – a exceção é o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), que não só diz que vota, mas vai as ruas para fazer campanha. O tucano está em vias de deixar o partido.

>> Eleição revela falsos profetas 

Tucanos não querem correr o mesmo risco do senador Cássio Cunha Lima (PSDB), que associou a sua imagem ao impeachment de Dilma Rousseff (PT) e consequentemente a impopularidade de Michel Temer (MDB). Desgastado pelos adversários com a alcunha de ser o “o senador de Temer”, Cunha Lima não conseguiu a reeleição.

Muitas incertezas cercam o governo do provável presidente do país, a partir de 2019. Ninguém quer arriscar.

Presidente do PSDB-PB exclui Alckmin do santinho

O candidato a presidente pelo PSDB, Geraldo Alckmin, está em baixa com os tucanos da Paraíba.

Depois do senador Cássio Cunha Lima (PSDB) criticar os ataques ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), o presidente estadual do partido e candidato a deputado federal, Ruy Carneiro (PSDB), excluiu o ex-governador de São Paulo do seu santinho.

Ruy sugere ao eleitor voto para deputado estadual, federal, senadores e governador.

Alckmin abriu mão do Nordeste

O candidato a presidente pelo PSDB não programou nenhuma viagem de sua campanha para o Nordeste. Pelo menos para as duas próximas semanas, a assessoria de Geraldo Alckmin não soube informar quando o tucano visitará a região.

O foco da campanha serão as regiões Sul e Sudeste, onde Jair Bolsonaro (PSL) e Álvaro Dias (Podemos) ameaçam tirar votos do ex-governador de São Paulo. Além disso, Alckmin tem dificuldade de penetração no Nordeste.

Em pesquisa divulgada pela Consult, na última semana, Geraldo Alckmin aparece com apenas 1,3% das intenções na Paraíba, atrás de todos os principais oponentes.

PP vai de Lucélio

Uma novela a menos.

O Progressistas anuncia daqui a pouco que caminhará com o PV, do pré-candidato ao governo, Lucélio Cartaxo.

Não por acaso, a ratificação da aliança será na segunda casa dos Cartaxos – Hotel Nord Luxxor Sapucaia, na orla marítima de João Pessoa.

Desta forma, a chapa PV-PSDB, que agora conta com o clã Ribeiro, está formada. Lucélio Cartaxo (PV) e Micheline Rodrigues (PSDB), a governador e vice; Cássio Cunha Lima (PSDB) e Daniella Ribeiro (PP), senadores.

Efeito Centrão-Alckmin: DEM convoca Efraim

A executiva nacional do Democratas convocou o deputado federal Efraim Filho para uma reunião em Brasília na próxima quarta-feira (25). No centro do encontro, os efeitos da aliança do Centrão com o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) para os estados.

>> Efeito Centrão-Alckmin respinga na Paraíba

Efraim Filho e Efraim Morais, filho e pai, comandam o partido na Paraíba e recebem desde a última semana forte pressão para reprodução da dobradinha com o PSDB no estado, o que implicaria no rompimento com o PSB.

Efeito Centrão-Alckmin respinga na Paraíba

A aliança do Centrão com o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) exigirá do governador Ricardo Coutinho e do pré-candidato do PSB ao governo do Estado, João Azevedo, esforços que não estavam previstos nos últimos dias de pré-campanha. Isso porque está em processo de construção a reprodução da aliança DEM-PSDB nos estados.

ACM Neto, prefeito de Salvador e presidente nacional do Democratas, é quem está na linha de frente das articulações.

O primeiro efeito prático é não mais a garantia da manutenção do apoio ao PSB na Paraíba, dada até então como certa, apurou o Blog. Em Minas Gerais, o senador Antonio Anastasia (PSDB) pode retirar sua candidatura ao governo e apoiar o deputado federal Rodrigo Pacheco (DEM). Ao Blog, Pacheco tratou o movimento como natural.

Coincidência ou não, o ex-senador Efraim Morais, presidente estadual do legenda na Paraíba, e o deputado federal Efraim Filho (DEM) se encontraram neste fim de semana com o pré-candidato ao governo, Lucélio Cartaxo (PV), e o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), no interior.

No fim tudo pode até permanecer como estar, mas os girassóis terão uma dor de cabeça a mais.

Lira vê fritura do PV-PSDB

Ao Rádio Verdade, da Rede Arapuan de Rádios, o senador Raimundo Lira (PSD) abriu o jogo sobre a desistência de se candidatar à reeleição ao Senado. Lira admitiu que o PV, dos Cartaxos, e o PSDB, do senador Cássio Cunha Lima, o fritaram do processo eleitoral. “Eu não estava completamente consolidado na chapa”. O parlamentar ainda deixou em aberto um eventual apoio ao PSB na eleição estadual.

A briga por Ciro Nogueira

Geraldo Alckmin está piscando para o Centrão. Na semana passada, mandou um enviado conversar com Ciro Nogueira. Quer o PP ao seu lado.

Ciro Nogueira, aliás, tem recebido recados também de Ciro Gomes.

Enquanto isso Ciro Nogueira vai levando. O seu PP, assim como o PRB, o Solidariedade e outros do chamado Centrão só querem montar em cavalo vencedor. Assim, vão esperar até o último momento para se definir.

No impeachment de Dilma Rousseff, por exemplo, o PP, que era governo, se definiu para que lado ia 72 horas antes da votação.

Lauro Jardim, O Globo