Calvário

Líder joga para governo ‘pepino’ Livânia

Afasta de mim esse cálice. Para o líder governista na Assembleia, deputado Ricardo Barbosa (PSB), é o próprio governo que deve se manifestar sobre a saída do advogado Solon Benevides da defesa da ex-secretária Livânia Farias, presa no âmbito da Operação Calvário. A saída de Solon fez com que novos rumores sobre uma eventual delação premiada de Livânia surgissem.

Política

Deputados desmentem versão de Cida

Barraco Deputados da própria base do governo, Ricardo Barbosa (PSB) e Wilson Filho (PTB), desmentiram a versão da colega de bancada Cida Ramos (PSB) sobre a acusação que fez ao líder da oposição, Raniery Paulino (MDB). Segundo Cida, Raniery chamou o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) de ladrão em meio a uma ríspida discussão no plenário com microfones desligados, o que teria causado o barraco na Casa.

Política

Barraco encerra sessão na ALPB

Fechou o tempo A deputada Pollyana Dutra (PSB), que presidia o pequeno expediente da sessão desta quarta-feira (27), encerrou os trabalhos após uma ríspida discussão entre os deputados Cida Ramos (PSB) e Raniery Paulino (MDB) sobre a Operação Calvário. A confusão aumentou a tensão entre os deputados Ricardo Barbosa (PSB) e Tovar Correia Lima (PSDB), que trocaram empurrões.

Paraíba

“Neste governo, ninguém solta a mão de ninguém”

Ninguém solta a mão de ninguém. A frase que viralizou na internet após o resultado do pleito que elegeu Jair Bolsonaro (PSL), em outubro do ano passado, foi a escolhida pelo ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) para responder as cobranças que recaem sobre o governo no âmbito da operação Calvário. “Neste governo, ninguém solta a mão de ninguém”. A declaração foi dada em solenidade do governo no lançamento do programa Paraíba Rural Sustentável, no Espaço Cultural. Ricardo ainda defendeu o serviço oferecido pelo Hospital de Trauma e condenou aquilo que ele trata de “execração pública” sobre a prisão da ex-secretária de Administração do Estado, Livânia Farias, suspeita de operar um esquema de corrupção na Saúde pública.

Ataques

Ladrão, canalhas, corruptos… alguns termos usados pelos efusivos deputados de oposição, Cabo Gilberto (PSL) e Walber Virgolino (PATRI), na sessão desta terça-feira (19) na Assembleia, para atacar agentes do governo do PSB, depois dos últimos desdobramentos da operação Calvário.

Resposta

O deputado Jeová Campos (PSB) contra-atacou e chamou os oposicionistas de “justiceiros”.

Fake news

Uma fake news ganhou os corredores da Assembleia durante a sessão desta terça. Era noticiado que as residências do ex-governador Ricardo Coutinho e do secretário Waldson de Souza eram alvos de busca e apreensão pelo Gaeco. O líder do governo, Ricardo Barbosa (PSB), chegou a considerar a possível veracidade da ‘informação’. Quando confirmou que se tratava de uma notícia falsa, não poupou: “Mentira inominável, irresponsável, reprovável que certamente será alvo de uma ação judicial por parte das vítima dessa mentira”.

Debandada 

A volumosa bancada do governo na Assembleia ficou vazia em plena sessão. Repentinamente deputados da base governista deixaram a Casa para o Espaço Cultural, onde acontecia o lançamento do programa Paraíba Rural Sustentável.

Legislativo

Na ALPB, líderes trocam afagos

Líderes da oposição e da situação na Assembleia Legislativa estão na vibe paz e amor. Em tribuna, nesta terça-feira (26), o deputado Raniery Paulino (MDB) parabenizou o comportamento cortês do situacionista Ricardo Barbosa (PSB) nos embates – diferente, por exemplo, dos confrontos com a deputada Cida Ramos (PSB), quando só sai faíscas. Barbosa retribuiu com sorrisos.

 
Alpb

Governistas prometem instalar CPIs para barrar oposição

Jogada. A bancada do governo na Assembleia deve recorrer a uma velha estratégia para barrar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Cruz Vermelha. Pelo menos quatro CPIs – homofobia, feminicídio, obras inacabadas e indústrias dos pardais – estão prontas para ser instaladas, segundo o líder governista, o deputado Ricardo Barbosa (PSB). A jogada inviabiliza a oposição, já que a Casa permite que apenas três comissões atuam ao mesmo tempo.

Política

A porta da rua é a serventia da casa

A nova reação do deputado Ricardo Barbosa (PSB) contra a anulação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que acaba com a antecipação e reeleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa da Paraíba, foi a gota d’água para o governador Ricardo Coutinho (PSB), principal interessado no arquivamento da polêmica PEC. 

Ao repórter Márcio Rangel, da Arapuan FM, o governador Ricardo Coutinho convidou Barbosa a deixar a base governista e consequentemente o PSB. 

“Ninguém é obrigado a estar no projeto. Para estar na situação, para estar no nosso partido, é preciso que todos respeitem ao próximo, respeitem a gestão. Se não quiser não tem problema”, disse Coutinho, ao externar que sente-se desrespeitado pelo parlamentar.

Em tom de provocação a Gervásio Maia (PSB), Barbosa colocou em xeque, ontem, seu próprio mandato caso o presidente da Casa provasse qualquer irregularidade regimental na tramitação da PEC.

Em meio ao fogaréu na base, o governador avisou: 

“Cada um sabe o caminho que precisa ir”.

Se tivesse recorrido a um velho ditado popular, Ricardo, o poderoso, teria dito: a porta da rua é a serventia da casa.

Barbosa morde e assopra

A votação da PEC pelo fim da antecipação da eleição e reeleição para Presidência da Assembleia continua rendendo.

Autor da proposta, o deputado Ricardo Barbosa (PSB) tratou de “casuísmo absurdo” e antidemocrática a contestação da base governista e do governador Ricardo Coutinho (PSB), que se envolveu na polêmica.

No mesmo discurso na tribuna, nesta terça-feira (20), Barbosa pediu desculpas aos colegas pelos “exageros”, segundo o próprio parlamentar.

Mordeu e assoprou!